terça-feira, outubro 26, 2010

Kissing A Fool – Michael Bublé



Kissing A Fool – Michael Bublé

You are far
When I could have been your star
You listened to people
Who scared you to death, and from my heart
Strange that you were strong enough
To even make a start
But you'll never find
Peace of mind
Till you listen to your heart

People
You can never change the way they feel
Better let them do just what they will
For they will
If you let them
Steal your heart from you
People
Will always make a lover feel a fool
But you knew I loved you
We could have shown them all
We should have seen love through

Fooled me with the tears in your eyes
Covered me with kisses and lies
So bye
But please don't take my heart

You are far
But I'm never gonna be your star
I'll pick up the pieces
And mend my heart
Strange that I was wrong enough
To think you'd love me too
You must have been kissing a fool
I said you must have been kissing a fool

But remember this
Every other kiss
That you ever give
Long as we both live
When you need the hand of another man
One you really can surrender with
I will wait for you
Like I always do
There's something there
That can't compare with any other

You are far
When I could have been your star
You listened to people
Who scared you to death, and from my heart
Strange that I was wrong enough
To think you'd love me too
You must have been kissing a fool
You must have been kissing a fool
You must have.. been kissing... a fool

O olho do tempo


'O olho do tempo' de Salvador Dalí

CARLES RIBAS El País - 26-10-2010

Tradução de Antonio de Freitas

'El ojo del tiempo', de Salvador Dalí, na exposição do MNAC "Joyas de artista. Del modernismo a la vanguardia"

Chuva em Liverpool


Chuva em Liverpool

GETTY/ Christopher Furlong - El País - 26-10-2010

Tradução de Antonio de Freitas

Uma mulher caminha por ‘Lime Street Station’, em Liverpool, enquanto as luzes de um anúncio se refletem no solo molhado pela chuva.

Verão

O estado preocupante do afluente do Amazonas

AP El País - 26-10-2010

Tradução de Antonio de Freitas

O rio Negro, principal afluente do Amazonas, registra estes dias o nível mais baixo desde que se começou a tomar medições, em 1902. Se o rio pode ter uma profundidade de até 30 metros, estes dias registra apenas 13 metros. A população afetada pela seca chega aos 22 milhões de pessoas.

segunda-feira, outubro 25, 2010

Outono


Outono

AFP/ PATRICK PLEUL - El País - 25-10-2010

Tradução de Antonio de Freitas

Folhas nas árvores prontas para cair no bosque de árvores pertencentes à família das fagáceas em Schlaubetal, próximo da localidade de Bremsdorf, no leste da Alemanha. A zona dos bosques de Schlaubetal recebeu a categoría de parque natural em 1995.

domingo, outubro 24, 2010

Mario Vargas Llosa - Nobel de Literatura


Gorka Lejarceg – El País - 22-10-2010

Mario Vargas Llosa trabalhando em sua casa de Nova York

terça-feira, outubro 19, 2010

Protestos estudantis em Paris


Protestos estudantis em Paris


Protestos estudantis em Paris

El País - 19-10-2010

Foto AP Françoise Mori

Protestos estudantis em Paris contra a reforma da previdência, que prevê a mudança na idade mínima para aposentadoria, de 60 para 62 anos, proposta pelo Presidente Sarkozy.

segunda-feira, outubro 18, 2010

Renoir no Museu do Prado


O impressionismo de Renoir chega ao Museu do Prado

ÁNGELES GARCÍA Madrid – El País

Tradução de Antonio de Freitas

O Museu do Prado, em Madri, Espanha, mostra nas suas salas nobres 31 obras-primas do pintor francês Renoir emprestadas pela Fundação Clark

quinta-feira, outubro 14, 2010

Desfile militar

Desfile militar

AP 13-10-2010
Tradução de Antonio de Freitas

Os soldados da Coreia do Norte marcham durante o desfile militar para celebrar o 65º aniversário de fundação do país por Kim Il-sung, o pai da pátria e de Kim Jong-il.

quinta-feira, outubro 07, 2010

Nobel para Vargas Llosa


Nobel para Vargas Llosa

JAVIER RODRÍGUEZ MARCOS – El País

Tradução de Antonio de Freitas

O escritor hispano-peruano, sempre entre os favoritos, autor de 'Conversación en la Catedral', 'La fiesta del Chivo', 'Travesuras de la niña mala' o 'Pantaleón y las visitadoras', consegue o prêmio. "É uma grande alegria que comparto com todos meus amigos", comentou o escritor ao conhecer em Nova York que havia sido premiado com o Nobel de Literatura.

domingo, outubro 03, 2010

sexta-feira, outubro 01, 2010

Rahm Emanuel deixa o gabinete Obama


Obama se concentra na reeleição

após a substituição de seu Chefe de Gabinete Rahm Emanuel

Pete Rouse, um próximo assessor do Presidente, substitui Rahm Emanuel

ANTONIO CAÑO Washington – El País - 01/10/2010

Tradução de Antonio de Freitas

Num momento decisivo de sua presidência, Barack Obama exonerou Rahm Emanuel, o homem que lhe serviu para conectar com os centros de poder em Washington, e nomeou Pete Rouse para o cargo de Chefe de Gabinete, um integrante de seu mais íntimo círculo de assessores, num movimento que significa o regresso de Obama a suas origens, a recuperação na segunda parte de seu mandato dos valores que fizeram dele um candidato excepcional na historia norte-americana. Com esta mudança, o Presidente demonstra que já começa a se preocupar mais com sua reeleição do que com sua agenda legislativa.

Não é um cavalo-de-pau. É a curva de um transatlântico cujo rumo definitivo tardará uns dias em se conhecer. Pela personalidade e trajetória de Emanuel e de Rouse se pode deduzir, entretanto, algumas consequências imediatas desta mudança: ganham a esquerda e os velhos amigos do Presidente, perdem os advogados do bipartidarismo e do centrismo; ganham os leais, perdem os forasteiros; ganha harmonia a Casa Branca, perde brilhantismo o país.

Emanuel, que agora tratará de ser prefeito de Chicago, era ao mesmo tempo um construtor de acordos políticos, um forasteiro que não participou da campanha eleitoral que se originou do círculo de Hillary Clinton, um dos mais brilhantes cérebros da classe política norte-americana. Foi uma peça fundamental no ressurgimento democrata após o triunfo de George Bush e o arquiteto indiscutível da extraordinária vitória dessa formação nas eleições legislativas de 2004.

Isso o converteu num dos homens mais influentes de Washington. Obama se colocou em suas mãos para promover seu ambicioso projeto de reformas. O plano não saiu de todo bem. Apesar de que o sucesso da aprovação da nova lei sanitária e a de controle financeiro sejam creditados essencialmente a Emanuel, também lhe culpam por um acidentado procedimento que manchou o resultado final e fez Obama parecer fraco e demasiado conciliador.

A esquerda o culpa por isso (e também por alguns desplantes e maus modos) e julga em retrospectiva que a Obama teria sido melhor se tivesse esquecido de cortejar os republicanos e acelerado a aprovação de seu programa de mudanças somente com votos democratas.

Não se pode garantir que a saída de Emanuel, precedida da de três assessores econômicos também do setor centrista, suponha imediatamente um aumento do peso da esquerda nesta Administração. Obama é por natureza um moderado inclinado a escutar ambos os lados. Porém, é de se imaginar que a necessidade de reformulação da imagem do Presidente, depois do previsível sucesso republicano em novembro, acentue a oratória progressista. Provavelmente, a situação do Congresso dentro de um mês não permita outra coisa.

Entra Rouse, o modesto

A saída de Emanuel é mais significativa sobre o rumo que pode tomar os acontecimentos que a entrada de Rouse, que assume com uma etiqueta formal de "interino" que define sua modéstia como figura política. Rouse é a antítese de Emanuel e jamais poderá chegar a seus pés. Após mais de 30 anos no serviço público em Washington, pouca gente conhece seu nome, inclusive entre os iniciados.

Os dois aspectos mais destacados de sua biografia são os de Chefe de Gabinete de Obama quando este era senador (o que demonstra que o presidente recorreu a quem sabe cuidar fielmente dos seus papeis?) e o de Chefe de Gabinete do ex-senador Tom Daschle, sem dúvida o político que Obama mais admira. Rouse esteve na Casa Branca durante os últimos dois anos, mas, como sempre, num papel obscuro, dedicando seu tempo principalmente a corrigir os erros de outros. "O dito mais frequentemente na Casa Branca é: 'deixa que Pete o ajeite", recordou Obama ao apresentar seu novo Chefe de Gabinete.

Emanuel foi de fato um primeiro-ministro. Agora essas tarefas terão que ser repartidas entre as figuras em ascensão na Avenida de Pensilvânia: David Alxerod, o principal conselheiro político; David Plouffe, o criador do mito Obama, e Robert Gibbs, que logo deixará de ser diretor de comunicação para assumir maiores responsabilidades.

Axelrod já anunciou que dentro de um ano ou ano e meio deixará, também, seu cargo para se dedicar integralmente à campanha de reeleição. Porém, é evidente que essa já é a principal preocupação no entorno do presidente. Se foi difícil legislar até aquela data, depois de 2 de novembro vai ser praticamente impossível que Obama consiga no Capitólio maiorias suficientes para aprovar leis como a reforma migratória, energética, educativa e sobre a mudança climática. Tudo se centrará em salvar a imagem do presidente do bloqueio que se avizinha.

http://news.yahoo.com/video/politics-15749652/22225905